top of page
  • Foto do escritorCarolina Gonçalves

Investir em casas para arrendar? Portugal destaca-se pelo seu interesse

A instabilidade da economia e do sistema financeiro ainda assola os mercados. Embora os rendimentos dos depósitos a prazo permaneçam baixos, as taxas de juro das hipotecas e dos empréstimos comerciais estão a aumentar.


Quem tem poupança deve considerar cuidadosamente onde investir à luz disso, a fim de evitar perder dinheiro devido à alta inflação que é sentida. Dada a sua resistência em tempos de crise, os analistas sugerem que o imobiliário surge como um refúgio nesta situação. E arrendar uma casa depois de a comprar continua a ser uma opção de investimento viável com raízes profundas no sul da Europa. De facto, um inquérito recente revela que os países com maior interesse nesta forma de rentabilização da poupança são Portugal, Espanha e Itália.


De acordo com os especialistas em investimento imobiliário para arrendamento, pelo menos duas em cada três pessoas nas três economias do sul do Velho Continente estão interessadas em comprar casas e depois arrendá-las. Os resultados demonstram que as famílias em Portugal, Espanha e Itália estão significativamente mais interessadas em comprar casas para arrendar do que os investidores nesta indústria noutros países da Europa Central.


De acordo com o relatório, Espanha é o único país analisado onde mais de sete em cada dez pessoas demonstram interesse em investir em habitação para arrendamento (72%), com base numa sondagem a mais de 8.100 habitantes europeus. Portugal é o segundo país, onde quase sete em cada dez residentes são atraídos para investir em casas para arrendar (67%). A Itália, onde 64% das pessoas estão interessadas em operar este tipo de negócio, está em terceiro lugar.


Mais de metade dos inquiridos no Reino Unido, França e Bélgica também indicam estar interessados em fazer investimentos imobiliários rentáveis.

Os Países Baixos (34%), seguidos da Alemanha (41%), são os países que suscitam menos interesse no investimento imobiliário.


Esses números podem ser facilmente explicados pelo fato de que as famílias no sul da Europa optam por investir em imóveis em vez de outros tipos de investimentos, incluindo contas poupança de curto prazo, compras de ações e participações em criptomoedas. O investimento imobiliário é a primeira escolha das pessoas em Espanha e Portugal. Por outro lado, ingleses e holandeses preferem apostar em contas de poupanças.


Em contraste com outros produtos financeiros, os imóvies continuam a ser uma opção de investimento de longo prazo gratificante com risco mínimo. Por este motivo, o interesse no mercado imobiliário e no setor imobiliário como um todo manteve-se elevado numa altura em que a inflação elevada está a destruir a poupança das famílias, os depósitos continuam a oferecer baixos retornos e a volatilidade do mercado acionário emergiu nas últimas semanas como resultado da recente turbulência bancária que alertou os mercados.


Apesar do desejo considerável, uma certa proporção de famílias portuguesas, espanholas e italianas continua a descartar a ideia de comprar imóveis para arrendamento.


Entre as justificativas apresentadas no estudo para esse desinteresse estão:

· Não ter dinheiro suficiente para comprar uma casa;

· Considerando as desvantagens desse tipo de investimento, como impostos a serem pagos, possíveis incumprimentos no pagamento de arrendamentos e inquilinos que não acompanham a manutenção da casa;

· Preferência pela compra de uma residência principal para uma segunda propriedade de férias;


Os especialistas também descobriram que os entrevistados com renda mais baixa acreditavam que arrendar um imóvel era uma escolha apenas para aqueles com poder aquisitivo significativo.


Quanto dinheiro é preciso para comprar uma casa em Portugal para a arrendar?

De acordo com especialistas, há interesse em comprar uma casa para arrendamento em nosso país. Ao baixar as taxas de IRS sobre os rendimentos prediais e ao implementar políticas para proteger os senhorios de situações de incumprimento, o Governo de António Costa está atualmente a concentrar-se no aumento do número de casas disponíveis para arrendamento através do Mais Habitação.


As famílias devem compreender o rendimento de um investimento numa casa de arrendamento portuguesa antes de avançarem com este tipo de investimento.


Quais cidades no início de 2023 tiveram maiores retornos ao investir em casas para arrendamento?

O mesmo inquérito indicava que era igual em Santarém (7,6%), Viana do Castelo (7,2%) e Leiria (6%). É fundamental lembrar que os riscos de investimento aumentam na proporção direta da rentabilidade de uma empresa.


Os proprietários de casas para arrendamento em Lisboa (3,8%), Aveiro (4,3%) e Faro (4,5%) têm a menor rentabilidade habitacional. De acordo com o mesmo inquérito, a compra de uma casa para arrendar no Porto proporcionou um retorno do investimento de 4,7%. Embora a rentabilidade das casas seja menor nessas áreas, os riscos do negócio também são reduzidos porque há uma enorme demanda por casas para aluguel imediatamente.


Em Portugal, a rentabilidade da habitação no início de 2023 era de 6,6%, um pouco superior à rentabilidade realizada no arrendamento de garagens. Por outro lado, o arrendamento de escritórios (8,8%) e lojas (8,5%) em Portugal produziu mais receitas do que o negócio da habitação.


O mercado imobiliário em Espanha é mais rentável...

Segundo os especialistas, comprar casa para arrendar em Espanha teve uma rentabilidade melhor do que a média nacional: 7,1% no primeiro trimestre de 2023. Nesta situação, o ticket médio de investimento varia entre os 100.000€ e os 150.000€ (incluindo o custo da residência, taxas e modificações), sendo o retorno entre os 7% e os 8%, enquanto há projetos que atingem uma rentabilidade de 15%. Mesmo em tempos de crise, o mercado imobiliário tem sido rentável.


No que diz respeito ao tipo de investidor, muitas vezes, são pessoas com uma certa poupança e que, dado o seu perfil solvente, não têm dificuldade em obter financiamento para a aquisição de uma casa. Esses investidores normalmente já possuem uma casa também. A maioria dos clientes são espanhóis, mas há também um número crescente de imigrantes e estrangeiros (particularmente franceses ou espanhóis).


Outras formas de leasing estão ainda a desenvolver-se no mercado espanhol. Há um aumento na demanda por arrendamentos de quartos e que os investidores estão á procura de arrendamentos de longo prazo para investimentos mais confiáveis. Barcelona, Madrid e Valência são as principais cidades que estão a gerar mais interesse.


Consequentemente, o mercado de arrendamento está a expandir-se. A habitação é a principal fonte de poupança para os espanhóis, no entanto, apenas 10% das transações de compra e venda em Espanha são para arrendamento, em comparação com 30% em França, 21% na Alemanha ou 17% no Reino Unido. Portanto, este é um mercado que pode crescer mais, porque ainda é muito pequeno em Espanha, mas o investimento é muito rentável e desperta muito interesse por parte dos espanhóis.


Além disso, este investimento contribui para resolver, em parte, o grave problema da oferta de habitação para arrendamento em Espanha, além de permitir às famílias rentabilizar as suas poupanças para a reforma e ter um fundo de emergência à mão. Além disso, o investimento em habitação para arrendamento contribui para a solução para a igualmente baixa oferta de casas em Portugal.

0 visualização0 comentário

Comments


bottom of page